sábado, 25 de dezembro de 2010

Fim de ano! Vamos doar sangue!

Pessoal, o assunto que me tem vindo à cabeça é muito importante: VAMOS DOAR SANGUE!

Eu comecei a doar sangue este ano de 2010. Na verdade foi meio tarde mesmo, podia estar doando sangue desde meus 18 anos em épocas propícias. Mas era sem-vergonhice, preguiça mesmo que me impedia.
Eu recomendo fortemente aos que têm medo e nunca fizeram, que tentem! Se estiverem aptos e na idade certa não tem por que não tentar!

Eu digo isso porque muitas das pessoas que eu suponho estarem aptas a doar sangue me dão a desculpa escalafobética de que "têm medo", ou de que "vão desmaiar", ou de não sei mais o quê. Não vou nem exemplificar essas pessoas aqui porque vai ficar chato, mas eu gostaria muito de vê-las doando!

Eu sei que tem pessoas que não podem realmente doar, porque têm diabetes, parceiros sexuais variáveis, não estão na faixa de peso compatível ou estão por fora da idade. Às vezes até tentam doar, mas o exame preliminar detecta que são anêmicas. Nesse caso realmente, fazer o quê, mas aquelas que não se encaixam nessas condições deveriam ver que sensação boa é você ficar ali por 15 minutos, NÃO SENTIR NADA além de uma simples picadinha, e voltar pra casa alimentado e com a satisfação de que com aquele ato pode ter ajudado a salvar até TRÊS VIDAS!

Outra coisa que recomendo fortemente é que se cadastrem no banco de doadores de medula óssea. Eles tiram 10 mL de sangue e cadastram nesse banco. A doação da medula só acontece caso seja compatível com alguém que esteja precisando, isso é muito difícil de acontecer. Porém, apesar do procedimento de doação de medula não ser algo tão simples, eu considero quem tem a oportunidade de doar como um felizardo, um privilegiado, pois é algo muito difícil de acertar e literalmente salva a vida de uma pessoa.

Além de tudo isso, depois da doação, eles dão um lanchinho pra repor as energias. Quer coisa melhor?
As mulheres do Hemepar (Hemonúcleo) aqui de PG fazem um misto quente muito bom, e acho que, por estar com menos 250 mL de sangue, a gente sente mais fome ainda.

Então! Só coisas boas pra quem vai doar! Se você nunca doou, aproveite o final do ano e vá lá tentar! Vai ver que não é nada de mais, e tem uma importância enorme pra quem recebe! E se você já foi mas faz tempo que não vai, volte a ir! Não custa nada dedicar um tempinho a cada 3 ou 4 meses para fazer isso...

Fica aí minha dica quente de final de ano!

Falow!

E, abaixo, um vídeo que não incentiva tanto a doação, mas é engraçado heheheh

http://www.youtube.com/watch?v=odyYPnO6k_c

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

Final de ano!

Eu sempre acabo deixando os posts nesse blog muito formais, sistemáticos e não sei. O escalafobeticismo vem maquiado daquela frescurada de ter uma ordem inteligível, e acreditem, mesmo assim eu consigo deixar isto aqui ininteligível para muitos.

Finalmente o ano acabou, como este ano passou rápido! Esta quarta eu entrego o último trabalho desse semestre no mestrado e completo um ano que foi metade ocioso, metade ocupadíssimo. Em um dia eu estava acordando as 3 da tarde, me deprimindo por não ter o que fazer, no outro, eu estava com três empregos informais e um mestrado maluco cheio de coisas pra fazer no laboratório. Pois é, agarrei essas oportunidades com duas mãos. Uma forma de expiação de falhas anteriores e também de calação de boca, para mim, que um dia disse que jamais voltaria a fazer algumas coisas que passei o semestre fazendo.

E a sensação de tudo isso? Muito boa! Eu estava tomado pelo orgulho e pela frustração de um passado recente, pensando que se sobe o degrau de dois em dois, mas na verdade é um aprendizado lento e sincero para se chegar aonde quer. Aonde eu quero chegar? Não sei ainda, mas estou procurando fazer tudo o que está ao meu alcance e tentando manter minha qualidade de vida, para depois não me arrepender lá na frente.

As coisas acontecem na nossa vida tão de repente que não dá pra ficar se garantindo em nada que ainda não aconteceu, ou que ainda não se concluiu.

Anos como este, com muitas mudanças e readaptações, no final das contas podem ser descritos facilmente em ordem cronológica. Eis o que vou mostrar abaixo, alguns dos itens mais importantes do meu ano:

- Em janeiro, voltei do Japão e tive que me reacostumar a viver na casa da minha família, rever os amigos e me reacostumar com a vida, o clima e a comida do Brasil.

- Nesse tempo que voltei, um rolo meu estava meio truncado, resolvi dar continuidade a ele, mas em março cheguei à conclusão que não daria certo, pois eu não estava a fim de ménage à trois, e sim de um namoro sincero.

- Em fevereiro fui para o Rio de Janeiro a convite da Eliane, foi uma viagem muito gostosa e boa para valorizar mais o Brasil. Fui muito bem recebido lá e aproveitamos bastante.

- No mesmo mês, meu Vô Miguel faleceu, foi um período muito desgastante pro meu pai e pra minha família toda, eu viajei demais, fiquei coisa de 3 dias sem dormir porque tudo foi na mesma época que eu tava tentando emprego em SC e concurso na Petrobrás.

- Em abril, fui pra Argentina com meus amigos, foi também uma viagem bastante legal, mas eu fiquei de grude na coitada da Milene, mesmo assim aproveitamos muito e vimos tudo o que se tem pra ver em Bs. As.

- Passou toda essa confusão, voltou a calmaria e um ócio. Enfiei a carona na filatelia, vendi muito de selos, comprei também, me desorganizei nas contas, que já não estavam lá organizadíssimas... mas aprendi muito sobre selos e usei isso como meu canal de satisfação. Consegui novos clientes e amigos, às vezes corria como louco fechando orçamentos e pedidos pra mandar.

- Enquanto isso, maio, junho, julho, tentei empregos, fui chamado para dinâmicas de grupo e entrevistas porque no meu currículo constava a experiência no Japão, mas no final nunca dava certo porque a concorrência era alta e o meu perfil deveras acadêmico. Talvez a instabilidade emocional e o recostume com a situação atual também influenciasse nos resultados.

- Julho foi um mês de novidades. Resolvi me inscrever pro mestrado, ainda sem compromisso, mas houve uma bolsa, um processo seletivo e eu me animei. Em agosto entrei como aluno regular do mestrado dando continuidade a um projeto de IC de duas colegas muito queridas com uma orientadora muito querida também.

- Daí em diante começou a loucurada. Em agosto eu já tava a todo vapor no lab preparando amostras (tanta energia acumulada tinha que servir para alguma coisa), duas alunas de IC começaram a me acompanhar e fomos em frente. As matérias do mestrado também eram dose, aqueles relatórios...

- Em setembro comecei a dar aula no Sagrada por uma solicitação da grande Prof. Eneri, entrei como substituto e acabei ficando até o fim do ano por causa do transplante de córnea que ela fez (ela é minha irmã de ceratocone). A gente acha que é só ir lá e dar aula, mas eu tive que sentar, reaprender física do ensino médio, preparar aula, montar prova, resolver problema de aluno.... como ser professor não é fácil!

- Outubro fui a SP ver o show da Hebe, esse momento se tornou inesquecível. E hei de ir mais vezes se ela fizer turnê!

- E em novembro tornei-me professor substituto de japonês. Quem sabe mais pra frente não seja somente substituto. Mas também dei aula de português para japoneses, que grande aprendizado. Um staff muito bacana sempre aqui e ali me ajudando na parte lateral das aulas.

- Dezembro, continuidade do mestrado, prova de proficiência em Londrina (com cia. da Lorene parcera do tipo pa-ti-pá), pausa para algumas férias e o desejo de que muitas bênçãos acompanhem o ano que vem. E que seja muito melhor do que este já foi.

Falow!

terça-feira, 14 de dezembro de 2010

Coisas que não dão certo

Sabe aquele dia que parece que nenhuma das coisas que você faz dão certo? Bem, na verdade você faz até do jeito que tem que fazer, mas o resultado não é bom. O pior é quando um monte de coisas dessas acontece no mesmo dia, parece que a gente se sente impotente, desacorçoa-se! Mas de qualquer forma era esperado isso.

Por exemplo, a parte prática do meu mestrado ainda está no começo, e a probabilidade dos experimentos darem errados é muito maior do que darem certos. Dito e feito, a alumina não densificou na queima, como eu poderia explicar um milagre caso ela densifique naquelas condições? Ora, se isso acontecesse, seria um artigo digno de uma Science. Minto: não seria de uma Science, e sim alguma revista editada pelo Padre Quevedo ou pela Mãe Dinah. Se fosse pela Igreja Católica eu seria canonizado.

Isso foi só um pedacinho. Outras coisinhas que acontecem no dia vão se somando, mas são como pequenos neuroniozinhos que se queimam: se acontecer continuamente há prejuízo, mas como não é assim, terminei meu dia ainda animado e com expectativas para amanhã. Afinal, é fim de ano e estou saudável para cumprir todas as obrigações!

Bem, vou parar por aqui e analisar o que dá pra melhorar... oh preguiça de escrever! Acho que vou começar um videolog, hauhauha!

Falow!

terça-feira, 7 de dezembro de 2010

Nova Prova de Proficiência em Língua Japonesa - 新日本語能力試験

Pessoal, neste último dia 05 (domingo), eu estava em Londrina para fazer pela primeira vez a NOVA Prova de Proficiência em Língua Japonesa, que foi realizada pela primeira vez em todos os países que comumente a realizam. Mas essa já foi a segunda vez da prova, porque em julho a prova estreou apenas no Japão e em outros países próximos ali com grande número de inscritos.

  Grandes primos queridos e Tia Odete que me receberam tão bem em Londrina (faltam o Paulo e o Osvaldo), e a Lorene me acompanhou pra lá!

Primeiramente, o melhor de tudo é que sou muito bem recebido em Londrina pelos meus primos sempre que vou fazer essa prova! Então eu vou feliz, com a barriga cheia e animado. Um beijo pra eles!
Nesta vez, como era a primeira vez que eu ia fazer a prova nova e por eu estar enferrujado no japonês, resolvi fazer o nível N2, em cujo equivalente eu já tenho certificado, mas para ser uma prova mais "light" e pegar o jeitão, porque o nível 1 eu estou sempre raspando, ainda falta melhorar um pouco o nível, por isso ia ser muito difícil eu passar, embora eu já tenha passado uma vez nos tempos áureos de Japão.



Enfim, a prova foi realizada pela primeira vez na PUC de Londrina, é muito bonito lá, parece a PUC de Curitiba só que com um prédio só, hehehe... era mais longe e eu saí mais cedo.
A prova transcorreu normalmente em Londrina, para os 5 níveis (que na prova antiga eram somente 4), teve 421 inscritos, sendo a maioria no nível 5 (iniciantes). O nível 2 que eu fiz tinha o menor número de inscritos (43 pessoas).

Como sempre, tinha gente do norte do Paraná inteiro, ônibus de toda a região, e um pessoal de Tupã, Bauru, interior de S. Paulo ali mais perto do PR do que da capital. Pela primeira vez eu senti um pouquinho de desorganização porque a pessoa que deixava voltar para o local de prova depois do intervalo não estava informada direito dos horários que cada nível podia subir, e impôs regras diferentes do pedido da professora aplicadora, fazendo com que os que desceram pro intervalo chegassem atropelados (não literalmente heheh)

Bem, depois de umas poucas 4000 linhas de impressão sobre o dia da prova, uma breve opinião sobre as mudanças do nível 2:

- A prova de gramática - interpretação de texto - vocabulário - kanji foi unificada. Isto é, uma prova que era dividida em duas partes se tornou um caderno de 30 e poucas páginas com 75 questões, para serem resolvidas em 105 minutos. Parece mais cansativo? Pois não é, na verdade minha opinião é que é uma maravilha, porque quando a prova de interpretação de texto e gramática era separada das outras, o tempo para ela era muito curto! Principalmente pra quem não é nativo e tem menos experiência de japonês, é praticamente impossível cumprir a prova sem ter que chutar algumas questões. Pois bem, desta vez eu consegui ler, pensar e resolver a prova inteira, e o tempo deu certinho! Claro que devo ter errado um monte de coisa, mas pelo menos eu fiz tudo pensando no que estava fazendo.

- Uma novidade nesta prova também é um tipo de exercício em que eles põem 4 lacunas e cada lacuna é um pedaço da frase. A tarefa é colocar essas lacunas em ordem, e marcar a alternativa que corresponde à posição da lacuna indicada. Algo assim. É meio chatinho e exige raciocínio, explora mais a experiência do que a teoria, mas é um bom teste, um real teste do japonês.

- Prova auditiva - foi totalmente reformulada! Ela é o segundo bloco do teste, tendo 45 minutos para o nível 2, depois de um intervalo de mais ou menos 30 minutos. Ficou muito mais (aparentemente) complicada! Mas na verdade ficou muito mais efetiva na hora de testar. As figurinhas que eram um saco e tinham antes nas opções das questões se tornaram frases, isso eu gostei pq eu sempre me estrepava nessas questões. E os diálogos que não têm figuras ficaram mais longos, mas mais suaves, menos pegadinhas. Dá pra ir anotando e interpretar tranquilo. Eu gostei de um exercício que tem diálogo, pra você marcar a opção que completa ou que responde à frase dita. Tipo: "Você chegou atrasado!"... daí as opções de resposta são: "Obrigado pelo presente", "Desculpe, vou me cuidar na próxima vez", "Tanaka-san escutou errado e colocou o mapa na geladeira". Qual a opção certa? A segunda, né? Mas as outras são engraçadas, por isso eu gostei dessa questão. Adoro conversas sem sentido! hehehe

Falow!

quarta-feira, 1 de dezembro de 2010

Salmiakki

Chegou!

Pessoal, dia 12 de outubro eu aparentes estava sem fazer nada e encontrei um site de produtos finlandeses para estrangeiros, o SUOMIKAUPPA.FI. O site inteirinho em finlandês, mas depois de muito me bater encontrei o link que levava para a versão (incompleta) em inglês. Muito interessante, esse site. Como há finlandeses espalhados pelo mundo, você paga por cartão de crédito e obtém maravilhosos itens da Finlândia a preços módicos.

Pois bem, uns dias antes eu vi em um programa japonês uma reportagem sobre o tal do SALMIAKKI. Um confeito doce? salgado? com gosto de asfalto? ou cocô? que é famosíssimo na Escandinávia, mas considerado pelo resto do mundo o doce mais horrível que existe.
Bateu a curiosidade, meu cartão de crédito começou a piscar e eu encontrei um kit de Salmiakki com frete grátis. Que excelente combinação! Fiz o pedido, mas a porcaria demorou dois meses para chegar.

Mas........... chegou!

Pedi um Kit com 6 balas PANTTERI, que são balas com Salmiakki, e 2 chocolates com recheio de Salmiakki, tudo ficou em torno de 18 euros, uma bagatela a julgar pela peculiaridade do objetivo: provar (e fazer os outros provarem) a bala mais horrível do mundo ,e talvez o chocolate mais horrível do mundo também.


Por que que o salmiakki é tão ruim? Na verdade ele é composto por sal amoníaco, cloreto de amônio, que tem uma função medicinal e tem um gosto horrível. É feito de amônia, porra. hauhauha
Mas sabe, eu provei, e na primeira realmente é meio estranho, mas depois eu até que gostei! Nenhuma das pessoas que provaram até agora conseguiram terminar a balinha, só um colega de laboratório... e eu estava rouco, é incrível o efeito dessa bala como pastilha para refrescar e acalmar a garganta!

Próximo pedido? Outras variedades do delicioso salmiakki.

Links para você conferir:

- Propaganda do Salmiakki (Pantteri) na Finlândia - muito legal!

- Vídeo do programa japonês de entretenimento com o pessoal provando salmiakki (em japonês com legenda em finlandês)

domingo, 21 de novembro de 2010

Hino Nacional Brasileiro

Olha gente, hoje está minando minha cabeça o Hino Nacional Brasileiro.
Podem falar o que quiserem, e eu não conheço todos os hinos nacionais do mundo, mas eu tenho certeza que o nosso é um dos mais lindos. A precisão poética do Duque Estrada e a beleza da melodia do Chico Manuel da Silva combinadas a diversas execuções magistrais trazem o patriotismo a um nível de emoção; e qual o brasileiro que não sente algo no peito quando escuta essa música tão perfeita?

É claro que tantos problemas que o Brasil tem tiram o gosto da gente às vezes, fazem com que a gente sinta vergonha do País e não orgulho. Mas vou contar uma coisa pra quem nunca saiu do Brasil: quando a gente sai pra outro país, dependendo da situação, bate aquele orgulho, a gente passa a dar valor pra coisas que eram do dia-a-dia e que a gente nem ligava, porque faltam essas coisas!

Junto a esse patriotismo brotante no peito, vem implícito o Hino Nacional. Na época que eu estava morando fora, eu tinha que fazer umas apresentações sobre o Brasil, então eu ficava buscando na internet milhões de versões diferentes do Hino Nacional. Eu procurava alguma versão que tivesse uma associação com nossa diversidade cultural, de ritmos, de ambientes. E eu ponho aqui três coisas que queria mostrar pra vocês.

Primeira: Duas lindas versões do Hino Nacional, se não me engano, que mostra os diversos ritmos do Brasil em cada pedacinho. Uma, de chorinho a rock, instrumental. Veja:

http://www.youtube.com/watch?v=0Ac1AWLwB-E

E essa, cantada, com berimbau, com chula, com bumba-meu-boi. Veja:

http://www.youtube.com/watch?v=ou9jw1WiWc8&feature=related


Segunda: A tamanha ignorância do brasileiro comum em não saber a letra do Hino Nacional. O povo não tem vergonha de não saber a letra, inventa, fala asneira, faz lá lá lá.... e isso é porque acabou a OSPB nas escolas. Acho que da ditadura militar a obrigatoriedade dessa disciplina é a única coisa que prestou.... mas agora parece que vai voltar às escolas. Pra fazer a moçada pisar miudinho e aprender o hino. Mas enquanto isso, a burrada vai lá no Ídolos e faz as seguintes mancadas. (Esse vídeo já é bem conhecido). Veja:



http://www.youtube.com/watch?v=xiLB1kQeGik


E aqui, a famosa burrada da Vanusa, que, drogada, errou TODO o hino, fazendo cair na net um dos vídeos mais engraçadamente constrangedores da história. hahahha


http://www.youtube.com/watch?v=6U-PpyBdHtU&feature=fvst

Ó gente, é preciso saber o que a gente está cantando! O significado da letra, imaginar cada verso... não apenas repetir as frases do hino como uma ladainha. É preciso tacar-lhe nas provas de português da sexta série a análise sintática inteira do hino nacional, depois repetir isso no vestibular, pra fazer esse povo aprender. Pode me chamar de louco mas eu acho isso (embora não saiba de cabeça os hinos da Independência e da Bandeira completos)...

Enfim,

Terceira: A parte introdutória do Hino Nacional, há algumas décadas atrás, ainda tinha uma letra que é cantada. Hoje em dia pouca gente conhece essa letra, e ela ficou "obsoleta", sei lá, mas é muito interessante... eu fui descobrir isso só com 24 anos. Dá uma olhada nesse vídeo da vovó que nos conta a historinha:

http://www.youtube.com/watch?v=HWiPQjKxEQs

Eis a letra do estribilho:

Espera o Brasil
Que todos cumprais com o vosso dever
Eia avante, brasileiros, sempre avante

Gravai com buril
Nos pátrios anais do vosso poder,
Eia avante, brasileiros, sempre avante

Servi o Brasil sem esmorecer
Com ânimo audaz
Cumpri o dever na guerra e na paz
À sombra da lei, à brisa gentil,
O lábaro erguei do belo Brasil,
Eia sus, ó, sus!!!

quinta-feira, 18 de novembro de 2010

O Escalafobético

Então.

Eu tenho alguns blogs, um sobre filatelia, um sobre minha vida no Japão e um sobre minhas reflexões do mestrado e percebi que hoje em dia minha vida tem coisas diferentes disso, que não fazem o menor sentido se eu colocar em um desses blogs. Essas coisas são meus pensamentos e viagens escalafobéticas. Por isso este blog. Pretendo usar este blog como lata de lixo, como válvula de escape, como ilha de produção de maravilhas, enfim, tornar este ambiente virtual algo muito escalafobético.
Comentem, elogiem, sugiram, critiquem, metam o pau.Tudo é bem vindo!

Primeira menção escalafobética:

A mais famosa POLCA FINLANDESA: Ievan's Polkka.
Eu estou faz mais de uma semana com essa música na minha cabeça. Ela é muito chata, mas é muito bonitinha!! Pra quem não sabe, a polca é um estilo de marchinha originada lá daqueles países cheios de neve, incluindo a região do leste escandinavo, onde tem Finlândia, e também próximo ao mar Báltico, incluindo Estõnia, Letônia, Lituânia, e indo pra Rússia. Como eu gosto daquelas bandas! Um dia ainda vou pra lá.
Enfim, eu acabei encontrando um vídeo no youtube que tem exatamente a letra da música como num karaokê, e daí em diante eu estou tentando que nem louco cantar a música junto. Veja como é importante conhecer as regras básicas de pronúncia do finlandês. A verdade é que essa música num dialeto finlandês (savoniano do leste), mas é praticamente a mesma coisa.

Por que você não tenta, também?

Segue o vídeo abaixo, que tem a maravilhosa letra. A letra conta a história do ponto de vista de um cara que quer dançar com uma tal de Ieva (Eva), mas a mãe dela não deixa, então eles fogem para a casa de uma outra pessoa, onde está todo mundo dançando uma polca. Então, eles dançam a noite inteira, mas quando ele leva a Eva de volta pra casa, a mãe dela estava muito braba esperando eles, mas ele diz na cara dela que ele e a Eva vão ficar juntos, não importa como.

Isso que é um macho finlandês.

A parte que eu mais gosto é um trecho onomatopeico que se repete no final de cada refrão.


Salivili hipput tupput tapput
äppyt tipput hilijalleen.
E a tradução, depois que eu pus no google de finlandês para português é a seguinte;
Hall Vili tapput tupput hipputäppyt hilijalleen tipput.

http://www.youtube.com/watch?v=cz-1cBfOCc4&feature=related



Depois que você vê o vídeo, você fica pensando no acompanhamento com a boca que o único cara do grupo fica fazendo. Eu fiquei aqui tentando marcar só o som do cara. Observe uma parte da minha anotação:

hon hon hon hon hon hon hon hon
hon hon hon hon hon hon hon hon
hon hon hon hon hon hon hon hon
he ho he ho he ho he ho he ho he ho
saa sa ka sa ha sa ha sa ha sa ha sa ha
iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo iyo uuuunnnn

E daí repete tudo...

GO NUTS with this!

Falow!